Até quando?

Andar pelas calçadas do Recife está cada vez mais impossível. Raízes, buracos, lixo, barracas de ambulantes e a pavimentação quebrada transformam o exercício de andar a pé em uma verdadeira odisseia. Mesmo com a ação da Prefeitura do Recife que gere a requalificação de 12 ruas da cidade, o recifense é crédulo de que ainda é necessário um investimento muito maior.

O projeto, já em execução, de acordo com a prefeitura, planeja atingir de 134 quilômetros de calçadas na capital pernambucana,está orçado em cerca de R$ 105 milhões, e deve contemplar 114 ruas e 12 largos em todas as Regiões Político Administrativas da cidade.

Na ultima quinta-feira, uma senhora, portadora de dificuldade de locomoção, de posse de uma cadeira de rodas automática, precisou se misturar aos carros da Rua Lopes de Carvalho, na Madalena, Zona Oeste do Recife, para poder se deslocar, uma vez que a calçada da rua estava tomada por lixo e entulhos.

O flagrante foi feito por nossa reportagem.

Ah, como era grande!!!

Morreu, na manhã desta quinta-feira (17) no Rio de Janeiro, o ator Paulo Silvino. O humorista tinha 78 anos e lutava contra um câncer.

Silvino estreou na TV Globo em 1966, apresentando um programa humorístico que satirizava a programação das emissoras de TV. Nos últimos anos ele fez sucesso como o porteiro Severino, em um quadro do Zorra Total.

O artista cresceu frequentando os bastidores do teatro e da rádio. Seu pai, o comediante Silvério Silvino Neto, conhecido por realizar paródias de figuras públicas no Brasil dos anos 1940 e 1950, levava o menino para acompanhar seu trabalho.

CARREIRA

Filho de Silvino Netto e Naja Silvino, não tardou a despontar para a carreira artística. Com 20 anos, ao lado de nomes como Altamiro Carrilho, Durval Ferreira e Eumir Deodato, lançou o LP Nova Geração em Ritmo de Samba, compondo e interpretando com sua voz abaritonada a maioria das canções, ainda sob o nome de Silvino Júnior.

Durante as décadas de 1960 e 1970, ampliou sua produção musical e teatral, escrevendo e atuando em peças e filmes. Passa pelas extintas TV Tupi, TV Continental, TV Rio e TV Excelsior.

Estreou na TV Globo em 1967, em TV Ó – Canal Zero e ganhou dois prêmios como o melhor comediante de televisão do ano. Desde então, apresentou e foi destaque em diversos programas de humor da TV Globo: Faça Humor, Não Faça Guerra, Satiricom, Planeta dos Homens, Balança Mas Não Cai, Viva o Gordo e Brasil Pandeiro. Em 1988, comandou inúmeras vezes o Cassino do Chacrinha, substituindo o Velho Guerreiro.

Esteve no SBT de 1989 a 1992, onde atuou em A Praça É Nossa e na Escolinha do Golias, com Ronald Golias. Participou da Escolinha do Professor Raymundo (1993 – 1995), na Globo, e da Escolinha do Barulho (1999), na TV Record.

De volta à Rede Globo, participou do programa Zorra Total, onde fez muitos personagens.

Seu humor era fortemente baseado em bordões e piadas de duplo sentido. Era, portanto, típico daquele que fez escola nos programas no qual atuou nos anos 60 e 70. São memoráveis o bordão do policial Fonseca, em quadro no qual contracenava com Jô Soares (“Guenta, doutor, ele gueeeeenta!!”), e, do porteiro Severino (“isso é uma tremenda bichona, seu diretor” e “Cara, crachá! Cara, crachá!”). O ator buscava a piada simples, mas de gosto popular, ao criar seus tipos, popularizando assim os bordões de seus personagens.

No cinema, participou de Um Edifício Chamado 200 (1973), Com a Cama na Cabeça (1973, autor do argumento), O Rei da Pilantragem (1968), Minha Sogra É da Policia (1958) e Sherlock de Araque (1957)

Após gravar seu primeiro LP e atuar em algumas novelas da TV Globo, Flávio Silvino teve sua carreira parcialmente interrompida em 2 de novembro de 1993 ao sofrer um grave acidente de carro que lhe causou danos cerebrais ao deixá-lo em coma durante 3 meses e meio.

Paulo Silvino fez parte do elenco de Zorra Total com seu personagem Severino, que participava do Strip Trem Quiz, e o Senador (Eu quero é mamar!!!). Com a mudança no Zorra Total, Silvino integrou o novo elenco do programa até o inicio deste ano.

O ator descobriu em julho de 2016 que tinha um endocarcinoma (câncer de estomago). Foi operado e desde estão lutava contra a doença.

Paulo Silvino deixou três filhos: Flávio Silvino, João Paulo Silvino e Isabela Silvino.

Do PlenoNews

Com marido à venda, mulher atrai legião de interessadas

Teresa Turner sofre de misofonia (pouca tolerância a sons). O marido, Rob, insistia em assistir a um vídeo em volume alto. Irritada, Teresa decidiu adotar uma medida drástica: põr “o marido à venda” em uma página de classificados no Facebook!

A mulher postou uma foto de Rob e escreveu.

“Tenho um marido de 33 anos que não é mais necessário por me deixar nervosa. Não quero dinheiro, é de graça. Ele é domesticado e treinado para usar o banheiro”.

Na verdade, Teresa queria angariar a simpatia e a solidariedade dos seus amigos – e amigas – na rede social com o seu “drama”. Só que o tiro saiu pela culatra. Várias interessadas solteiras surgiram para “comprar” Rob. Em poucas horas…

Tudo cancelado, rapidamente.

Rob continua morando com Teresa. Ela, por sua vez, vai pensar duas vezes antes de voltar a anunciar o “produto”. Pode ser que consiga mesmo vendê-lo.

Do Gazeta On Line

Restaurante dá desconto pelo tamanho dos seios das clientes


Um restaurante chinês deixou muita gente revoltada ao oferecer descontos para mulheres de acordo com o tamanho de seus seios. Localizado em um shopping na cidade de Hangzhou, o Trendy Shrimp colocou em sua fachada um cartaz indicando que quanto maior os seios, menos a cliente paga.

“A cidade inteira está procurando por seios”, dizia o anúncio. A “promoção” fez com que a população local fizesse uma reclamação formal no conselho municipal e uma das mulheres mais bravas afirmou que “este conteúdo está envolvido em uma publicidade vulgar. Além disso, é uma discriminação contra as mulheres”.

O cartaz foi colocado no dia 1 de agosto e removido após a grande quantidade de reclamações. O gerente da loja, Lan Shenggang, disse que houveram comentários negativos de pessoas mais velhas e que a nova geração achou a ideia divertida.

Ele continua afirmando que o número de clientes aumentou em 20% e que “algumas das garotas que atendemos estavam muito orgulhosas – elas não tinham nada a esconder”.

Do Yahoo Notícias

Flagrante de assalto na Encruzilhada

Câmeras de segurança de um prédio flagraram, na manhã de hoje (11) um assalto à mão armada, no bairro da Encruzilhada, zona Norte do Recife, próximo ao Restaurante Confraria do Mar. A vítima, uma mulher ainda não identificada , saia da garagem do prédio, quando foi abordada por dois homens armados, que levaram sua SUV branca, de placas não anotadas. Moradores do local pedem mais rondas da polícia, informando que no local, os assaltos são constantes.

Vai-se Luiz. Fica a Melodia.


Por Marina Rossi

O cantor carioca Luiz Melodia morreu nesta sexta-feira, aos 66 anos, em decorrência de um câncer de medula óssea, no Rio de Janeiro. Um dos maiores compositores brasileiros, Melodia é autor de sucessos da Música Popular Brasileira como Pérola Negra e Estácio, Holly Estácio, essa última uma homenagem ao local onde nasceu, o morro do Estácio.

Luiz Melodia se definia como um compositor “da perifa do Rio”. “Eu sou um compositor de tudo, mas [antes de tudo] sou um negro”, disse, certa vez, na casa do cantor Zeca Pagodinho, por quem tinha muita admiração. “Quando um compositor do porte do Zeca dá esta oportunidade é emocionante”, afirmou, sobre o sambista interpretar suas músicas. “A invisibilidade [do compositor] não importa”.

Após o diagnóstico do miolema múltiplo, nome técnico deste tipo raro de câncer no sangue, Melodia iniciou o tratamento com quimioterapia em abril deste ano. Em maio, porém, fora submetido a um transplante de medula óssea, pois não estava respondendo bem ao tratamento com quimioterapia. A cirurgia fora bem-sucedida, mas a doença não regrediu.

Enquanto esteve internado, sua casa na zona sul do Rio fora invadida por bandidos que levaram alguns pertences do cantor, incluindo o computador onde estava guardado todo seu acervo histórico, como a biografia em inglês, releases de lançamento de Pérola Negra, além de toda a discografia.

Luiz Melodia era casado com a compositora, cantora e produtora Jane Reis e era pai do rapper Mahal Reis.

Do El País

Morre um ídolo


O ex-goleiro Waldir Peres, ídolo do São Paulo e titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982, faleceu na tarde deste domingo. Aos 66 anos de idade, foi vítima de infarto fulminante logo depois de almoçar, em Mogi Mirim, no interior paulista.

O ex-jogador não sofria com nenhuma doença, segundo familiares, mas reclamou de azia e falta de ar logo depois de comer. Foi levado ao hospital 12 de Julho, mas não resistiu. Não era casado e deixa dois filhos e uma filha.

Nascido em Garça (SP), Waldir surgiu na Ponte Preta, mas foi para o São Paulo em 1973, aos 22 anos. Ficou no clube por quase 11 anos, destacando-se como defensor de pênaltis – teve atuação fundamental na conquista do Campeonato Brasileiro de 1977. Ganhou ainda os Paulistas de 1975, 1980 e 1981.

Waldir Peres foi o segundo jogador com mais partidas pelo São Paulo. Atuou em 617 partidas, acumulando 300 vitórias, 195 empates e 122 derrotas. Só é ultrapassado por Rogério Ceni, que atuou em 1237 jogos.

Waldir saiu do Tricolor paulista em 1984 e, até se aposentar, cinco anos depois, defendeu América-RJ, Guarani, Corinthians, Portuguesa, Santa Cruz e Ponte Preta. Voltou a ser campeão somente em 1988, ganhando o Estadual pelo Corinthians.

Defendeu a Seleção Brasileira entre 1975 e 1982, ano em que foi titular no Mundial da Espanha no qual o time de Telê Santana, com nomes como Falcão, Zico e Sócrates, ficou marcada pelo bom futebol apresentado, mesmo eliminada ao ser derrotada pela Itália antes das semifinais da competição.

Do Lance

Uma chuva de gols na Ilha do Retiro

Foi um banho! Literalmente. Sob forte e ininterrupta chuva, o Sport venceu o Atlético-GO por 4×0, nesta quinta-feira (20), na Ilha do Retiro, pela 15ª rodada do Brasileirão. O resultado recolocou o Leão no G-6, a zona de classificação à Libertadores. Os rubro-negros subiram para a quinta colocação, com 24 pontos.

O Sport volta a campo no domingo. Encara o Palmeiras, às 16h, na Arena de Pernambuco. Trata-se de um confronto direto pelo G-6. No momento, os palmeirenses somam 23.

O JOGO

Em um gramado encharcado por conta da forte chuva, a vontade prevaleceu em detrimento da técnica no primeiro tempo. Nesse quesito, os rubro-negros foram indiscutivelmente superiores. Cada bola foi disputada como se fosse “a bola da vida”. E nessa imposição na base da força, o Sport construiu uma cômoda vantagem antes do intervalo.

A vitória começou a se desenhar logo no primeiro lance. Mena cruzou rasteiro da esquerda e achou livre no meio da área o volante Patrick, que mandou com frieza para o fundo da rede aos 6 minutos. Foi o primeiro gol do camisa 88 pelo Leão. Daí em diante, um verdadeiro “monólogo” rubro-negro, com várias chances em sequência.

De tanto pressionar, o Sport achou seu segundo gol aos 18. Mais uma vez, o lance nasceu nos pés do chileno Mena, que cruzou na medida para Diego Souza cabecear para o fundo da rede: 2×0. Foi o 33º do camisa 87 pelo Leão em Brasileiros, que empatou com o ex-atacante Leonardo como o maior artilheiro do Clube na história da Série A.

Oito minutos depois, Diego Souza quase ampliou. O meia deixou para trás o marcador, invadiu a área e deu uma “cavadinha” para superar Klever, mas o goleiro conseguiu dar um tapa e impedir um golaço. Só que aos 40, ele nada pôde fazer. Depois de cobrança de falta da direita, André apareceu entre os zagueiros para escorar para o fundo da rede: 3×0.

No segundo tempo, o gramado ficou ainda mais pesado e os atletas encontraram dificuldades para fazer a bola rolar. Assim, os lances ofensivos se tornaram raros. Mas quando a chuva deu uma trégua, o Leão ampliou. Aos 35 minutos, Rithely lançou André, que bateu com categoria encobrindo o goleiro goiano. Golaço e fim de papo na Ilha. Sport 4×0.

FICHA DO JOGO

SPORT: Agenor; Samuel Xavier, Ronaldo Alves, Durval e Mena (Sander); Patrick, Rithely e Diego Souza (Rodrigo); Everton Felipe, Rogério (Lenis) e André. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

ATLÉTICO-GO: Klever; André Castro, Gilvan, Roger Carvalho e Breno Lopes; Marcão (Heleno), Igor e Paulinho (Andrigo); Jorginho, Niltinho (Silva) e Walter. Técnico: Doriva.

Local: Ilha do Retiro. Árbitro: Dewson Freitas da Silva (PA). Assistentes: Hélcio Araújo e José Ricardo Coimbra (ambos do PA). Gols: Patrick, aos 8 minutos do 1º tempo; Diego Souza, aos 18 do 1º; e André, aos 40 do 1º. Cartões amarelos: Rithely e Everton Felipe (S); e Igor (A). Público: 9.748 torcedores. Renda: R$ 194.049,00.

Do Site Oficial / Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Morre Padre Edwaldo Gomes, da Paróquia de Casa Forte

Após 26 dias hospitalizado, o padre José Edwaldo Gomes, 85 anos, pároco da Igreja Sagrado Coração de Jesus, em Casa Forte, na Zona Norte do Recife, morreu na noite desta quarta-feira (19). O sacerdote deu entrada no Hospital Memorial São José no último dia 22 de junho.

O velório terá início na manhã desta quinta-feira (20), na Igreja de Casa Forte, Zona Norte do Recife. O enterro será no mesmo dia, no jazigo da Arquidiocese de Olinda e Recife no Cemitério de Santo Amaro, região central da capital pernambucana.

História

José Edwaldo Gomes foi ordenado padre em 1956 e, desde 1970, era pároco da Igreja do Sagrado Coração de Jesus. Ele fundou, há 36 anos, a Creche Menino Jesus, que abriga crianças de 4 a 6 anos. Dez anos depois, foi a vez da Casa da Criança Marcelo Asfora, que acolhe crianças de 7 a 14 anos, em sua maior parte oriunda da creche. As duas instituições estão localizadas em Casa Forte.

O padre nasceu em 1931, no município de Barra de Guabiraba, Zona da Mata de Pernambuco, filho de uma família com onze irmãos. Edwaldo ingressou no Seminário de Olinda aos 13 anos e foi ordenado aos 25.

O pároco exerceu várias funções na Arquidiocese de Olinda e Recife antes de ser nomeado por dom Hélder Câmara para a Igreja de Casa Forte. Lá, Edwaldo se tornou conhecido pelas ações sociais e pela realização da Festa da Vitória Régia, que arrecada dinheiro para as instituições e já faz parte do calendário de eventos do Recife.

A jornalista Vera Ferraz, que escreveu o livro “Um Padre Nosso”, lançado ano passado sobre a trajetória do padre Edwaldo, lamentou a perda. “Nós sentimos muito, mas também temos que ver que o sofrimento dele foi enorme, ele foi um heroi”, comenta.

“Além de ser um dos mais longevos párocos de uma paróquia pernambucana, ele fazia o que poucas igrejas fazem”, continua a jornalista. “Padre Edwaldo foi muito especial e uma das coisas que mais me admirava nele é que, apesar da idade, ele era um padre muito atual, muito ligado e preocupado com os jovens”, disse.

Da FolhaPE