Constrangimento: Cliente é confundido com marginal na Casa dos Frios

O motorista Mário José Ferreira foi confundido com assaltante ao fazer uma compra de bolo de rolo para o patrão em um estabelecimento da Zona Norte, na noite da sexta-feira (20). A imprensa ele relatou o constrangimento que passou. Por não ter todo o dinheiro da conta, ele precisou voltar ao carro para pegar o restante da quantia, mas foi impedido de voltar à loja e revistado por policiais.

“Não gosto nem de descrever o que aconteceu. Um cara que paga seus impostos, ter uma arma em cima de você e todo mundo olhando. Os ônibus, os motoqueiros… Eu não sei o que dizer, a minha cabeça está a mil. Que tipo de assaltante deixa R$ 600 e sai?”, contou o motorista neste sábado (21).

A Casa dos Frios afirmou que uma funcionária teve a impressão de vê-lo com uma arma e, por isso, a Polícia Militar foi acionada. Segundo Mário, os funcionários da loja pareciam desconfortáveis com a presença dele desde sua chegada ao estabelecimento. Ele havia saído uma primeira vez para buscar o dinheiro que deixara no carro. Ao passar as compras no caixa, viu que o valor não era suficiente e foi buscar o restante. Foi aí que o impediram de retornar à loja e a polícia surgiu.

“Eu tenho a empresa, meu patrão, que estão à frente disso aí. Mas não sou só eu, muita gente passa pela mesma situação. Sou mais um negro que passou por isso, só que a maioria não tem advogado”, lamentou, contando ainda que todo o processo levou cerca de duas horas.

O caso foi divulgado nas redes sociais pelo advogado Gilberto Lima, chefe de Mário. O motorista costuma ir ao estabelecimento, na Avenida Rui Barbosa, usando o uniforme de trabalho. Na última sexta (20), ele estava sem a roupa utilizada durante o expediente.

“Nas vezes em que ele vai trajado de ‘motorista de madame’ não houve nenhum problema. Todavia, ele estava de trajes informais – calça jeans, camisa de malha, tênis. Aí simplesmente ele foi detido e acusado de sabe-se lá de quê porque é negro”, descreveu o advogado nas redes sociais.

“Eu estava com uma calça e com uma blusa justas. Quando me abaixei para pegar os bolos, minhas costas apareceram e dava pra ver que eu não tinha nada. Um funcionário disse que me viu com uma arma, mas eu não sei de onde ele tirou isso”, frisa o motorista.

O episódio, segundo a advogada de Mário, Maria Eduarda Andrade, rendeu um Boletim de Ocorrência (B.O.). “Cheguei lá pouco depois e acompanhei a situação. Houve uma revista no carro dele e foi emitido um B.O. no qual os policiais informaram que não encontraram nada que incriminasse ele”, explica.

Segundo ela, o documento foi assinado pela vítima, por ela e pela Polícia, mas o estabelecimento se negou a assinar. “Com certeza vamos tomar as providências cíveis e penais, porque ele foi vítima de um crime”, pontua a advogada.

Outro lado

A Casa dos Frios, loja em que aconteceu o episódio, se posicionou através do advogado Márcio Gondim. Segundo ele, a empresa reconhece que o cliente esteve na loja, entrando e saindo diversas vezes do estabelecimento. “Uma funcionária da loja suspeitou que ele portava uma arma e, em função disso, a empresa deu início a um protocolo de segurança”, explica.

Ainda segundo Gondim, a loja enfatiza que a suspeita não foi motivada pela cor da pele do cliente, “Toda a informação partiu dessa suspeita. A funcionária informou que viu uma arma”, alega.

O estabelecimento também divulgou nota oficial. Confira abaixo:

“Vimos por meio desta nota esclarecer a ocorrência que se deu em nosso estabelecimento da Rui Barbosa na noite de 20 de Janeiro de 2017 e que está sendo divulgada de forma equivocada. Um senhor estava fazendo compras na nossa loja quando uma de nossas caixas teve a impressão de tê-lo visto portando uma arma embaixo da camisa e notificou o gerente da loja. Frente à situação atual de violência que se observa na cidade, o nosso gerente ativou o protocolo de segurança. Entrou imediatamente em contato com a polícia afirmando haver uma SUSPEITA de assalto. A polícia veio até o nosso estabelecimento e tomou as providências cabíveis à situação. Ressaltamos que a suspeita não foi atribuída a cor do cidadão, mesmo porque temos vários clientes e funcionários negros, sendo certo que a cor nunca foi e nunca será motivo de tratamento desigual em nossos estabelecimentos, cumprindo lembrar que em nossos — anos de atuação jamais se cogitou alguma conduta descriminatória da Casa dos Frios.

Por fim, ressaltamos ainda que a despeito do ocorrido, não houve qualquer constrangimento ao cidadão em razão da sua cor.”

Clique AQUI e assista ao vídeo da matéria.

DO G1/PE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *