No rodízio do Boizzão da Av. Caxangá, cliente passa 40 minutos sem ver ‘a cor da carne’

boi

Por Cecília Lima

O que tinha tudo para ser uma sexta-feira tranquila, aproveitando a noite para conhecer um restaurante que ainda não havia ido, transformou-se em frustração no momento que escolhi o Boizzão Churrascaria, localizado na Avenida Caxangá, no bairro da Iputinga, Zona Oeste do Recife.

Cheguei por volta das 21h. A casa estava cheia. havia uma confraternização no salão que fora dividido em dois. No lado de lá (evento), um DJ tocava funk no último volume. No lado de cá, clientes tentavam conversar falando alto, pois o som da música (de péssimo gosto) os impedia de falar num tom mais moderado.  O barulho era insuportável.

De pronto, estranhei o fato de não ter ninguém à porta para receber os clientes. Fui entrando, até que um senhor perguntou para quantas pessoas seria a mesa. Como éramos um casal, ele nos conduziu a uma mesa para dois.

Logo apareceu um garçom, para saber se o rodízio era de carne ou de pizza, e tomar nota do pedido de bebidas, que chegaram em seguida.

Feito isso, começamos a esperar as carnes em nossa mesa. Mas, por incrível que pareça, após 40 minutos, sem ver ‘a cor de uma carne’, chamamos o gerente, fizemos a reclamação e pedimos a conta (dos dois refrigerantes).

Pensamos que ele ia pedir desculpas pelo ocorrido e tentar solucionar o problema, mas não o fez. Informou apenas que cada refrigerante em lata custava R$ 6,90 (pasmem!) e que a conta teria dado R$ 13,80.

Pagamos e fomos embora, na certeza de que, naquele local, nunca mais voltaremos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *