Recursos tecnológicos a favor da medicina

hope

Um marco dos dois últimos séculos foi, sem dúvidas, o avanço tecnológico. Através dele, a sociedade pôde evoluir em diversos segmentos. Um deles, talvez o mais importante, foi a medicina. Nesse caso, a ciência e a tecnologia se uniram para desenvolver o que há de melhor para os pacientes, com equipamentos e técnicas mais eficientes e eficazes para diagnóstico e tratamento de doenças.

Na área da oftalmologia, por exemplo, um grande marco é a utilização do laser para tratar e sanar problemas oculares. Por se tratar de uma região tão pequena e frágil como o olho, a precisão do laser é a tecnologia responsável por grande parte da evolução da área e auxilia no diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos pacientes. Isso permite uma melhor qualidade para eles com consequente melhor recuperação visual, pois o diagnóstico é mais precoce e preciso.

Os portadores de catarata foram alguns dos grandes beneficiados. Um equipamento intitulado femtosegundo LenSx permite que todas as incisões na córnea e a fragmentação do cristalino natural sejam realizadas totalmente a laser. Isso significa que as etapas da cirurgia que antes eram realizadas manualmente pelo cirurgião — com uso de bisturi ou através de aparelhos de ultrassom —, agora são feitas com a precisão desta tecnologia. “O principal diferencial do uso desta técnica é a excelência no processo cirúrgico com notável grau de precisão, maior personalização, mais segurança, com a minimização de possíveis complicações intra e pós-operatórias e maior previsibilidade no posicionamento da lente intraocular, além de maior controle visual pelo médico, com sistema guiado por imagem e visualização 3D”, explica o médico Bernardo Cavalcanti, do Hospital de Olhos de Pernambuco (HOPE).

O laser de femtosegundo LenSx foi desenvolvido especificamente para a cirurgia de catarata e já utilizado em mais de 50.000 procedimentos realizados no mundo, sendo o primeiro a ser aprovado pelo FDA para esta finalidade. Outra tecnologia utilizada na área da oftalmologia é Laser do tipo PASCAL para tratamento de doenças na retina. Este Laser possui uma tecnologia que permite a realização de múltiplos disparos simultâneos de maneira padronizada, possibilitando um tratamento bem mais rápido ao paciente. “Além disso, este novo Laser dói menos do que o anterior, trazendo um maior conforto ao paciente, consequentemente o oftalmologista poderá tratar mais rápido e mais adequadamente os casos necessários”, ressalta Dr. Bernardo Cavalcanti.

O equipamento também possui uma tecnologia que permite realizar a aplicação do Laser mais próxima da mácula, área da retina responsável pela visão central e detalhada. Essa possibilidade permite tratar melhor o edema macular secundário a doenças como a Retinopatia Dibaética e Serosa Central. Diversas doenças na retina se beneficiam dessas tecnologias. A Diabetes é uma delas, sendo uma das principais causas de cegueira irreversível no país e no mundo.

Entre as melhorias alcançadas também está a robótica. A ciência, que deu seus primeiros passos por volta de 1495, quando Leonardo da Vinci esboçou planos para um robô humanoide, progrediu e agora está a serviço da saúde na realização de cirurgias laparoscópicas através do robô Da Vinci. Desenvolvido pela empresa americana Intuitive Surgical, possui braços articulados que, sob o comando do médico responsável, são capazes de executar cirurgias minimamente invasivas com o máximo de precisão e eficácia.

Segundo o urologista Guilherme Maia, do Hospital Santa Joana Recife, a tecnologia já é amplamente utilizada na América do Norte. “Nos Estados Unidos, cerca de 90% das cirurgias de câncer de próstata são realizadas com o Da Vinci. Aqui no Brasil, ele chegou em 2008 em São Paulo, e agora chegará a Pernambuco”, revela o médico, que é um dos pioneiros a realizar cirurgias com o robô na região e um dos incentivadores a trazê-lo para o Estado. Na unidade de saúde, o equipamento será utilizado por uma equipe de médicos coordenada pelo cirurgião Gilberto Pagnossin.

O principal benefício da cirurgia robótica é o fato de que os braços mecânicos da máquina reproduzem os movimentos das mãos do cirurgião com corte mais preciso, sem tremor, com visão tridimensional bastante ampliada, possibilitando mais conforto para os profissionais. “Algumas operações urológicas duram em média três horas. Esse tempo gera um cansaço e desgaste natural na equipe médica. Com o robô, o cirurgião opera sentado. Isso auxilia a técnica e evita possíveis erros ou tremores”, explica. Além disso, graças às pequenas incisões no corpo, o tempo de recuperação no pós-operatório é muito menor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *