Sport: Morre Leonardo, o eterno ídolo rubro-negro

leo

Por Irce Falcão

Internado há quase mês no Hospital da Restauração, o ex-atacante do Sport, Leonardo, de 41 anos, faleceu às 15h15 desta terça-feira. Segundo a médica responsável pela UTI adulta da unidade, dra. Fátima Buarque, a causa foi falência múltipla dos órgãos, ocasionada pelo agravamento do quadro de neurocisticercose, doença adquirida através da ingestão de carne porco sem o devido cozimento ou de má procedência. Os problemas do ex-jogador começaram em outubro do ano passado, com crises convulsivas. Em janeiro, ele passou a apresentar febre alta e acabou transferido para o HR, onde teve novos episódios convulsivos e acabou encaminhado à UTI.

O quadro evoluiu para perda de consciência e Leonardo foi sedado, entrando em estado de coma induzido. Após a retirada dos medicamentos, não houve resposta positiva dele, que passou ao estágio de coma em grau 3. Desde então, o quadro clínico de Leonardo vinha sofrendo pioras e, no último domingo, ele começou a fazer sessões de hemodiálise para auxiliar na redução do líquido acumulado, já que o organismo não o estava liberando.

leo2

CARREIRA

Leonardo nasceu em Picos, no Piauí, em 13 de junho de 1974, foi um dos maiores jogadores da história do Sport. Com 136 gols com a camisa rubro-negra, ele é o maior artilheiro da história do clube pernambucano, perdendo só para Traçaia e Djalma, que foram goleadores nas décadas de 50 e 60, respectivamente. Outra marca que coloca Leonardo entre os maiores ídolos do Sport é a de títulos conquistados. Ao todo são sete, com duas Copas do Nordeste (1994 e 2000) e cinco Campeonatos Pernambucanos (1994, 1997, 1998, 1999 e 2000). Só perde para o goleiro Magrão em número de títulos conquistados.

leo

Além de vestir a camisa vermelha, preta e amarela, ele passou pelo Vasco, onde jogou com Juninho Pernambucano em 1995. No ano seguinte se transferiu para o Corinthians, onde foi um dos artilheiros do clube na Libertadores, mas a passagem foi curta e no mesmo ano foi para o Palmeiras.

Em 1997 retornou ao Sport e foi uma passagem marcante, onde foi artilheiro e campeão do Pernambucano. Foram mais três títulos estaduais e o foi protagonista na boa campanha rubro-negra da Copa João Havelange de 2000. Em 2001 foi para o Cruzeiro, mas não teve muito destaque. Ainda jogou pelo América/MG, Vitória/BA e Belenenses de Portugal.

Como diz o ditado, um bom filho a casa torna e Leonardo retornou ao rubro-negro pernambucano em 2005. Porém, sua última passagem não foi das melhores e o clube não conseguiu ser campeão pernambucano no ano do centenário e quase foi rebaixado para a Série C. Ele ainda jogou por Paysandu, Guarany-CE, Picos-PI, Central, Cametá-PA, Sete de Setembro e Afogadense, onde encerrou a carreira em 2012.

Leonardo trabalhava nas categorias de base do Sport desde 2014 e era o principal responsável por lapidar os garotos que sonham em se tornarem jogadores de futebol.

Da Folha PE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *