Leitora flagra carro da Compesa em uso irregular

Um carro de uso exclusivo em serviço, pertencente à Companhia Pernambucana de Saneamento – Compesa, foi flagrado sendo utilizado de maneira irregular por um servidor, de acordo com denúncia da leitora Maria do Carmo Barnabé. Ela flagrou, durante parte da noite deste domingo (16) e manhã desta segunda-feira (17), por volta das 08h, a caminhonte S10, com placas PNP 4196, estacionado na Rua João de Lima, no bairro da Iputinga, sem que haja nenhuma obra ou escritório do órgão nas imediações que justifique o fato.

De acordo com a Lei Federal 1.081/50, em seu artigo 1º, “os automóveis que servem as entidades públicas destinam-se, exclusivamente, ao serviço público”. Portanto, é vedada sua utilização para questões de foro pessoal.  Já o artigo 4º, da mesma lei, diz que é rigorosamente proibido o uso de automóveis de órgãos oficiais “em passeio, excursão ou trabalho estranho ao serviço público.”

A difícil tarefa de transitar pelas calçadas de Olinda

O simples ato de transitar pelas calçadas das ruas das grandes cidades vem se tornando uma verdadeira aventura, principalmente no estorno de grandes estabelecimentos comerciais, de ensino ou qualquer outro gênero. Um exemplo disso é o que acontece no entorno da Faculdade de Medicina de Olinda, Região Metropolitana do Recife, principalmente na rua Doutor Manoel de Almeida Belo, em Bairro Novo, Olinda.

“Aqui não há fiscalização da companhia de trânsito do município. Os carros ficam estacionados em locais proibidos , em esquinas, sobre calçadas… atrapalhando o trânsito e fazendo com que os pedestres circulem pelo meio da rua, sob o risco de acidentes”, relata o internauta Ricardo Ferraz.

Pelo CTB, a imobilização forçada do veículo por tempo indeterminado sobre o passeio é considerada infração grave. Além da perda de 5 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) o condutor é autuado com multa no valor de R$ 195,23, além de ter o carro removido.

Leitora questiona acesso ao Facebook por funcionários de Guichê da Prefeitura do Recife no Expresso Cidadão do RioMar

A leitora Mirella Soares nos envia flagrante de descaso no serviço público, na manhã desta sexta-feira (10).

Funcionários do guichê da Prefeitura do Recife, da Agência do Trabalho do Shopping RioMar Recife e acessando Facebook enquanto pessoas aguardam para serem atendidas. “O acesso a esse tipo de site deveria ser proibido em todo tipo de serviço público, principalmente naqueles de atendimento direto ao público. Um verdadeiro absurdo! “, comentou Soares.

Leitor flagra funcionários utilizando ambulância do SAMU para tomar café em padaria

O leitor Astrogildo Ribeiro Jr. envia flagrante de viatura do SAMU Recife sendo usada para outros fins que não seja a prestação de socorro aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo o leitor, na manhã desta sexta-feira (17), por volta das 8h, dois homens, aparentando serem funcionários do órgão (não estavam fardados), de posse da ambulância de placas PGS 3919, estacionaram o veículo num local de zona azul da rua José de Alencar, na Boa Vista e, tranquilamente, foram tomar café da manhã na Padaria Santa Terezinha, localizada na esquina da daquela rua com a Rua Manoel Borba.

“Ai se você acionar o SAMU e receber a resposta que não tem viatura disponível para a ocorrência no momento, saiba que alguma delas possa estar servindo de carro de passeio para funcionários do órgão. Um absurdo!”, citou o leitor em sua denuncia ao BGD.

Foto: Astrogildo Ribeiro

Motoristas de Táxi insistem em estacionar na Conde da Boa Vista

Consciência. Esta é a palavra que falta no vocabulário de alguns motoristas de táxi do Recife. Quem usa o estreito corredor da Avenida Conde da Boa Vista, no Centro da Cidade, sabe exatamente o que é isso. O leitor Juarez Ferraz nos envia um flagrante feito na última sexta-feira, por volta das 15h50, de um taxista estacionado na via, de apenas uma faixa, em frente ao Atacado dos Presentes.

“Impressionante. A via tem apenas uma faixa e vários taxistas estacionam (isso mesmo, estacionam) em frente ao Atacadão e complicam os motoristas que circulam naquela via. Para os veículos leves, existe apenas uma estreita faixa, que é obstruída por esses irresponsáveis, fazendo com que a gente invada a faixa dos ônibus, sob risco de causarmos algum acidente “, reclama Ferraz.

Em pesquisa no site do Detran/PE, observamos que essa é uma prática comum do motorista do táxi em questão. Em apenas um mês, o mesmo foi autuado três vezes pelo estacionamento proibido no local indicado pelo leitor.

Você sabe quem leva seu filho para a escola?

esc

Por Gabriel Diniz

O internauta Carlos Ferreira Filho nos envia flagrante de veículo de transporte escolar cometendo diversas infrações na Av. Maurício de Nassau, no bairro da Iputinga, Zona Oeste do Recife. Segundo Ferreira, a van, com crianças a bordo, andou por um longo trecho de uma via perpendicular da Avenida na contra-mão. Quando chegou na Maurício de Nassau, avançou o sinal vermelho, pondo em risco a integridade dos passageiros.

Veja o vídeo:

 

“Será que os pais dessas crianças sabem quem os levam e os trazem da escola? É preocupante”, diz o internauta.

O flagrante foi feito por volta das 12h30, desta terça-feira (29).

As denuncias contra os condutores de van escolar devem ser feitas à CTTU pelo fone 0800 081 1078.

Nas Graças, leitor flagra taxista urinando no meio da rua

TV

O ato de urinar nas ruas, pratica comum durante mutos eventos, pode ser considerado uma contravenção penal. Existem pelo menos 3 artigos do decreto lei 3.688/41, que podem atribuir sanção penal ao ato.

Há quem defenda que o ato de urinar nas ruas poderia configurar o crime descrito no artigo 233 do Código Penal, chamado de ato obsceno, cuja pena é de é de detenção, de três meses a um ano, ou multa. Todavia, este não parece o melhor enquadramento, haja vista que o referido crime exige conotação sexual.

A definição do termo obscenidade pode variar mais ou menos, e em certos casos de fato varia grandemente, de comunidade a comunidade, de cultura a cultura, de país a país, de época em época.

Art. 233 – Praticar ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público:

Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa.

A atitude de urinar em publico pode se encaixar em outra descrição penal constante do artigo 61 do Decreto-Lei n.º 3.688 de 1941, que traz a conduta de IMPORTUNAÇÃO OFENSIVA AO PUDOR, com a seguinte redação:

Art. 61. Importunar alguém, em lugar público ou acessível ao público, de modo ofensivo ao pudor:

Pena – multa

Para a configuração da conduta descrita acima é necessário que a ofensa ao pudor seja dirigida a pessoa determinada, por exemplo, um indivíduo que venha a urinar se com intuito de provocar outra pessoa, ou urinando em terceiro ou em direção à ele, nesses casos ocorreria a contravenção penal, fora essa hipótese, a contravenção não seria constatada.

Há ainda uma conduta descrita pelo decreto-Lei n.º 3.688 de 1941, em seu artigo 65, que pode punir a pessoa que decidir urinar em edificações sou monumentos urbanos.

Art. 65. Pichar, grafitar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano.

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.

Parágrafo único. Se o ato for realizado em monumento ou coisa tombada em virtude do seu valor artístico, arqueológico ou histórico, a pena é de 6(seis) meses a 1 (um) ano de detenção, e multa.

O artigo prevê punição para quem conspurcar, que significa sujar, manchar, edificação urbana. Assim, o indivíduo que suja uma edificação com sua urina, estaria infringindo esse artigo.

Diante dessa polêmica, o leitor Tiago Moura nos envia flagrante de um taxista urinando em plena rua.

O fato aconteceu hoje pela manhã, na Rua da Amizade, no bairro das Graças, Zona Norte do Recife.

Com informações do TJDFT

Leitora reclama de dificuldade em fazer denuncia contra focos do Aedes Aegypti

Sem-Título-1

Por Gabriel Diniz

A leitora Patrícia Ramiro Arcoverde, denuncia a dificuldade que enfrenta ao tentar solicitar uma vistoria de local com possíveis focos da dengue.

De acordo com a leitora, próximo ao prédio em que reside, no entorno do Mercado da Madalena, a galeria Cambuim Center, localizada na Rua Real da Torre, 431, Madalena, Zona Oeste do Recife, possui vários entulhos, em cima do telhado. Esse material pode contribuir para a proliferação de novos focos do Aedes aegypti.

Além da Dengue, o mosquito transmite outras doenças, como febre Chikungunya e Zika Vírus, uma das causas prováveis da microcefalia, uma malformação do cérebro dos bebês durante a gestação.

Patrícia afirma que, há mais de dois meses que tenta fazer a denuncia: ” Liguei inúmeras vezes para o disque dengue (nem completa a ligação). Liguei diretamente para o Distrito Sanitário, lá minha denúncia foi anotada mas quase dois meses depois o foco continua lá do mesmo jeito, resolvi então usar a tecnologia para tentar resolver, mandei um WhatsApp para a Rede Globo, no dia 16 de dezembro, e até a data de hoje, essa mensagem nunca foi lida”.

Através das redes sociais, a leitora pede ajuda para disseminar o foco.

Olimpíadas 2016: corrida com obstáculos

Untitled-2

Por Gabriel Diniz

Parece até ironia, mas em tempos de Olimpíadas no Brasil, o povo recifense pode se considerar medalha de ouro na maioria das ‘provas’ que disputam em seu dia-a-dia. O internauta Rafael Ribeiro nos envia exemplo mais que perfeito dessa situação, na Rua dos Navegantes, logo após o cruzamento com a Rua Padre Carapuceiro, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. A areia proveniente da obra na frente de um edifício faz com que os pedestres que passam pelo local precisem andar no meio dos carros, na rua, para seguirem seu trajeto. O material ainda atrapalha o tráfego local, por estar também depositado na via. Um verdadeiro absurdo.

A foto é de Thiago Cogut.

Internauta reclama de venda casada na STR Ar Condicionado

str

Por Gabriel Diniz

O internauta Tiago Pacheco de Moura envia reclamação à coluna contra a loja STR Ar Condicionado, localizada à Rua Desembargador João Paes, 232 – Boa Viagem, Zona Sul do Recife.

Em 23 de junho de 2015, ele adquiriu um aparelho da marca Midea neste estabelecimento. A ele, fora o prazo normal da garantia de 01 ano, foi oferecido um acréscimo de mais outro, por uma suposta garantia estendida, paga no ato da compra.

Ainda no prazo da garantia normal, o aparelho adquirido apresentou problemas. Ao procurar o estabelecimento para efetuar o conserto, ele descobriu que as garantias só têm valor caso a instalação seja feita através de um profissional da empresa, ou seja, ele teria que adquirir o produto e ainda, a instalação, por fora, para obter as garantias de 01 ano e estendida, de mais outro ano, o que configura um caso típico de venda casada.

“Revoltante! Em quase tudo no Brasil, a má fé está incutida nas entrelinhas. Vou colocar na justiça, certamente, para que todos possam saber quem é a MIDEA e a STR AR”, desabafa Tiago.

O protocolo de reclamação feito na Midea é o de nº 1002366224.